Páginas

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Antropologia e Desenho


A primeira oficina deste ano, na Casa Atelier Vieira da Silva, foi com a Karina Kuschnir que nos desafiou a contar uma história estabelecendo como elementos mais importantes que a estética,  o tempo, o espaço e as relações sociais. Para isso deveríamos em primeiro lugar fazer o registo de coisas que visualmente remetessem ao tempo no lugar: coisas permanentes, coisas efémeras, estações do ano, forma do equipamento urbano ou pequenos objectos. De seguida registar as coisa vivas ou que estivessem animadas: pessoas, animais, carros, plantas etc..Por fim o registo do espaço ampliado para lá dos prédios, dividindo-nos em 4 grupos, de acordo com os pontos cardeais, para mapear o jardim. Optei por juntar os três exercícios numa dupla página, diferenciando-os pela cor, tentando que as camadas sobrepostas no final pudessem oferecer a leitura do lugar. 




segunda-feira, 28 de novembro de 2016

"EL COLOR COMO ESTRUCTURA, COMO JUEGO Y COMO EMOCIÓN"


Este foi o tema do workshop da Celia Burgos que nos convidou, como chovia, a desenhar através das gamas de cores frias ou quentes, as emoções que as peças da exposição temporária de Arte Vudu da Colecção Treger / Saint Silvestre, nos faziam sentir. 
Confesso que comecei a desenhar as peças numa total ignorância sobre o teor da exposição mas muito entusiasmada em desenhar com a orientação da Celia utilizando o material que habitualmente deixo para trás, os lápis de cor. Apesar da estranheza e da curiosidade que me suscitava o que desenhava, o resultado cromático teria sido diferente se tivesse sabido que as peças de metal tinham sido feitas pelos Bosmetal (trabalhadores de metal) e faziam parte do culto Vudu? E que o boneco que achei com ar de bronco, beberrão mas divertido apesar de mal-encarado (por isso lhe fiz uma sombra malévola) era um Bizango, boneco com caveira humana das sociedades secretas de Bizango do culto Vudu no Haiti e personifica o poder dos seus guerreiros? Muito provavelmente, sim. A emoção era outra.


Desenhar na Casa Fernando Pessoa


Mais uma vez em Campo de Ourique com a Rosário Félix.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

A desenhar com o Luis Frasco no MAC


A tarde no Museu Arqueológico do Carmo foi bastante gratificante pela motivadora apresentação do Luis, pelo convívio e pelo desafio lançado. Obrigada Luis!


terça-feira, 15 de novembro de 2016

Um ano a desenhar para o futuro com André Duarte Baptista

No desafio que o André nos lançou, deveríamos observar e descobrir através do desenho a identidade do lugar, o Jardim das Amoreiras, compondo a partir das partes, o todo.
Achei francamente interessante!




terça-feira, 25 de outubro de 2016

Coliseu dos Recreios

Engraçado como a minha percepção espacial desta sala, completamente deserta e apenas com a iluminação base, se alterou. A noção de ser circular desapareceu e a forma octogonal emergiu em pleno assim como o cinzento me pareceu muitíssimo preponderante.
Confesso que tenho um fraquinho por este espaço e foi muito bom poder estar tranquilamente a desenhá-lo, celebrando os seus 125 anos.




quarta-feira, 19 de outubro de 2016

ROQUE GAMEIRO


Achei este desafio imensamente interessante e com uma duração bastante alargada mas mesmo assim, por inúmeras razões, só agora consegui responder e logo no sábado em que tudo aconteceu. Opções feitas e, na companhia da Marilisa, fomos para o Largo do Rato fazer o nosso primeiro desenho da Rua do Sol ao Rato cruzamento com a Avenida Álvares Cabral, sentadas na placa central, registando como tudo está tão diferente.
De seguida fomos para a Rua do Arco a São Mamede, para um segundo e último desenho. 
Tenho imensa pena de não ter conseguido fazer mais desenhos dentro do prazo estipulado, mas pretendo continuar a olhar Lisboa pelos olhos do mestre.